O homem do outro lado da cama

Terry: Não estou preocupado. Nunca estive tão tranquilo. É o que as pessoas normais fazem, Sam. Elas se apaixonam, dão risadas, moram juntas, criam filhos, brigam por dinheiro, envelhecem e engordam juntos, isso é normal. E está acontecendo comigo. Não consigo acreditar.

Sam: Eu consigo. Ninguém merece tanto quanto você.

Arlene: Querido, não me sinto muito bem hoje. Não limpei nada, não arrumei nada.

Terry: (sorrindo para Sam) Sou o homem mais sortudo do mundo.

(True Blood – S03E05)

Feliz #6meses de novo, amor.
(Em 25/05/13)

Fatos em minha vida me fizeram acreditar que não chegaria a dividir minha casa e minha vida com alguém, amorosamente falando. E foi engraçado quando ele apareceu do nada, quando eu menos esperava. Me fazendo rir, me dizendo que eu era linda, inteligente e muito legal. Logo estávamos juntos – logo mesmo, em questão de dias. Quando comecei a perceber que passava mais tempo na casa dele que na minha, que já não conseguia dormir direito sem ele do meu lado, cheguei à conclusão de que poderia dar certo. Passamos um tempo conversando sobre o assunto e um dia finalmente me mudei, tornando tudo oficial. O estranho foi perceber, ao arrumar minhas coisas por toda sua casa, que era como se elas sempre houvessem estado lá.

Não vou dizer que não existiu medo no início, pois é algo que ainda sinto em alguns dias mais escuros. Mas aí, quando estou sentada ao lado dele escrevendo ou lendo enquanto ele joga, ou quando compartilhamos coisas um com o outro, o medo vai embora. Pra quem achava que ia acordar um dia com 60 anos e 30 gatos, é bem mais do que poderia imaginar.

 Viver junto é se dar conta de que a partir daquele momento muitas coisas precisarão ser pensadas a dois. A comida, as tarefas, as contas. Que você não pode fazer somente o que deseja e muitas vezes precisará ceder. Isso é difícil pra mim que gosto de ter tudo sob controle naturalmente. Aos poucos você se acostuma à rotina do outro, mesmo quando existem aquelas manias que não suporta e precisará contar até dez. E quando coisas ruins acontecem não dá pra simplesmente culpar o outro, já que é sempre o jeito mais fácil.

Mas eu penso que a parte mais difícil mesmo é manter a individualidade quando se fica tanto tempo juntos que os gestos e ações começam a se tornar duplicados. O casal passa sempre a ser encarado de forma diferente pelos amigos, como se fossem um só e obrigados a estar juntos em todo lugar. As pessoas não nascem grudadas e não há motivo para pensar que isso deve mudar quando elas começam a viver juntas. Ainda são dois e precisam ser dois para que o relacionamento funcione. Criar uma relação de completa dependência e anulação do outro não é nem de longe uma coisa saudável. E se por ventura vier a acabar a pessoa nem sequer tem mais uma vida para chamar de sua.

Cantar juntos o tema de Game of Thrones em cada começo de episódio. Cozinhar juntos. Tentar limpar a casa juntos (que é a parte mais chata). Dançar em comemoração a nada em particular. Tomar banho juntos. Dormir juntos. Claro que não dá pra fazer isso sempre, mas quando for possível é algo muito bom. Porém tudo na medida certa para que não enjoe, porque ainda existem duas pessoas que precisam de sua privacidade.

É tão difícil encontrar alguém que te aceite, de verdade, e não da boca pra fora. Que te coloque como prioridade, que aceite suas prioridades e faça qualquer coisa por você… Tanto que você sente vontade de se doar em troca, porque não é obrigação, é algo natural.

Nem sempre as coisas sairão perfeitas e você pode se perguntar se era isso mesmo que queria para sua vida, não adianta ser hipócrita e dizer que não. Mas se para cada vez que você se pergunta “Aonde amarrei meu burro?!” a resposta for “Ainda assim desejo continuar”, você está no lugar certo. Não tenho por que ficar aqui dando mais conselhos.

2 thoughts on “O homem do outro lado da cama

  1. Estou preste a mergulhar de cabeça nessa vida de “morar junto” estou cheia de medos também, iria ser agora já, mas resolvemos adiar um pouco, só que em breve vai acontecer e eu tenho certeza que vai ser muito bom, sei das dificuldades, das complicações, mas a vontade de estar juntos é maior, pior que eu também nunca me imaginei vivendo nada disso…

    Adorei ter citado True Blood no começo, fiquei sorrindo ao ler os nomes e reconhecer as falas!😀

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s