Saudades, Velho…

O texto já é grande – e olha que eu nem disse tudo que poderia -, mas se quiser maiores esclarecimentos acesse:

Um ensaio de sorriso | Minha mãe foi meu pai

De umas semanas pra cá eu tenho sentido essa saudade do meu avô. Não sei de onde veio tão forte e de repente, porque parecia que eu já tinha me acostumado. Ele faleceu há pouco mais de dois anos e sei que minha mãe ainda chora por causa dele em certos momentos, mas eu não senti da mesma forma.

Sempre me lembro das coisas que ele dizia, porém não com tristeza. Meu avô era um sujeito bem interessante, só foi a escola por cerca de três meses, se não me engano, durante o final da infância. Aprendeu a ler, escrever, fazer contas e depois o pai dele o obrigou a voltar a trabalhar pra ajudar na fazenda (Meu bisavô era uma peste, segundo dizem). Só que eu não consigo me lembrar de nenhuma pergunta que eu tivesse feito e ele tivesse deixado de responder à altura. Era um homem muito inteligente e sábio, da forma como somente os que trabalham “na lida” conseguem ser. Eu posso dizer que ele sempre soube das coisas importantes.

O tempo de plantar cada coisa. Chuva, sol, terra. Os animais que ele criou durante, sei lá, mais de 50 anos em que trabalhou na roça. Ele ficou afastado por pouco tempo, trabalhando no comércio, só que não deu muito certo, então ele voltou a cuidar da terra. Me lembro de passar o mês inteiro das férias de janeiro andando atrás dele, tentando aprender a como cuidar de galinhas, porcos, vacas, fazer queijo. Ele subia o morro correndo mais rápido que eu.

Ele é a maior referência que eu tenho de um pai de verdade, já que meu genitor é um lixo. Meu avô nunca me bateu e, das poucas vezes em que me recordo ter sido chamada atenção, sempre o respeitei. Até porque não queria ficar com o couro quente. (Minha mãe me mataria! ‘-’) De qualquer forma ele não gostava de bater nos filhos e netos porque apanhou muito quando era criança e achava isso horrível. A voz dele já impunha respeito suficiente.

Obviamente meu avô possuía lá os seus defeitos. Era mulherengo – especialmente apaixonado por mulatas -, mas ele amava a minha avó e tenho a impressão de que nunca brigaram. Ele dizia que não valia a pena porque minha avó estava certa. E também era meio machista e a favor da ditadura militar. Dizia que o mundo estava uma bagunça. Ele estava no canto dele, trabalhando e cuidando da família, na roça, não soube o que realmente aconteceu.

Sempre me lembro dessas coisas todas e sinto vontade de rir, só que dessa vez é diferente. Queria que ele ainda não tivesse ido. Sei que ele estava velho, adoentado, precisando de descanso. Minha avó morreu de câncer uns dez anos antes, eu acho, ele nem falava mais o nome dela e ficou muito abalado. Depois foi chegando aos 80 e minha mãe achou melhor ele parar de trabalhar, acho que foi isso que acabou mais com ele.

Me sinto mal em dizer que não dei toda a atenção que poderia. Adolescentes querem ficar com outros dos seus e a cada ano eu me distanciava mais. Quando ele teve o primeiro AVC ajudei a cuidar dele. Meu avô NUNCA reclamava de nada! Tudo sempre estava bom pra ele. Depois veio o segundo AVC e o meu mundo caiu no dia em que ele pediu pra que eu desse comida na boca dele porque não conseguia segurar a colher…

Já fiz duas mudanças desde que saí de casa e eu sempre tenho que dizer “Cuidado com a minha geladeira, foi vovô quem me deu!” (Ele me perguntou o que eu precisava na época em que deixei a casa da minha mãe) Ele não vai mais voltar e a geladeira é a coisa grande e branca que me faz lembrar dele e sorrir. Meu avô sempre ofereceu ajuda e deu o que cada um estava precisando, o valor era relativo a necessidade. Agora os filhos dele estão brigando por causa de uma merda de herança. Discussões que não precisam acontecer, ele ficaria muito puto se soubesse.

Quando ele morreu, minha mãe, a mãe de um primo e eu fomos comprar roupas para enterrá-lo. Eu disse pra minha mãe não comprar cueca boxer porque ele jamais usaria aquilo, vovô só gostava de “samba canção” feita sob encomenda na costureira. Minha mãe respondeu que não fazia mais diferença. Foi meu primo quem o vestiu… e não colocou a cueca porque ‘vovô não gostava disso’. Eu ri. Na verdade, o velório do Senhor Milne Gomes de Oliveira foi o mais engraçado que eu já tive a oportunidade de presenciar, quase irlandês. Não queria vê-lo daquele jeito, mas ele estava muito perto de todo mundo e acabou acontecendo. Todos os filhos, sobrinhos, netos e amigos da família contando causos sobre “Minicosa” (Não sei até hoje o por quê desse apelido esdrúxulo, pronunciado com sotaque). Meus tios imitando a voz dele e a gente simplesmente ria… porque meu avô era um homem muito alegre e cheio de opinião.

Durante o velório fui dormir na casa de um primo, o lugar estava cheio e eu caindo de sono por causa da viagem e tudo que aconteceu. Um tio disse que eu era muito nova pra estar cansada e tinha a obrigação de ficar. Minha mãe comentou que era remorso por não ter feito mais pelo próprio pai enquanto podia. Meu avô estava morto e já havia nada que eu pudesse fazer. Nem ser forte pela minha mãe eu soube, não sou boa nisso. E todos choramos e o enterramos no dia seguinte, a primeira vez que a família estava reunida em anos e logo pra quê.

Não sei por que estou dizendo todas essas coisas agora, pra falar a verdade. Talvez eu só precisasse desabafar. Talvez seja porque a família está toda desconjuntada de repente. Talvez seja porque o reaparecimento do meu genitor de merda esteja causando tanta dor de cabeça que preferia te meu pai de verdade  aqui. Sinceramente não importa a razão.

Mas se ele estivesse aqui eu poderia perguntar o que fazer. E minha mãe estaria diferente. Só queria poder ouvir ele de novo, conversar sobre um assunto qualquer, nem que fosse pra ele reclamar sobre o Jô Soares. Apresentar o Pedro e dizer qeu agora estou feliz, mesmo que passando certas dificuldades comuns. Ah, se ele estivesse aqui eu nem estaria passando por isso, ele não permitiria.

Queria dizer que eu sinto saudade…

E também contar que eu insisti pra que enterrassem ele com as botinas, mas não deixaram.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s